Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Atacadista da construção civil, colombiana Tul levanta US$ 181 milhões e chega ao Brasil

Atacadista da construção civil, colombiana Tul levanta US$ 181 milhões e chega ao Brasil

A empresa opera como um marketplace B2B voltado para pequenos e médios varejista do segmento de construção civil

Por Rennan A. Julio

Chega oficialmente ao Brasil, em março deste ano, a Tulstartup colombiana focada em construção civil. A empresa opera como um marketplace B2B, voltado para pequenos e médios lojistas do setor. Para aterrissar em território nacional, a plataforma lançada em 2020, e com operações na Colômbia, no Equador e no México, levantou uma rodada de US$ 181 milhões, liderada pela 8VC e acompanhada pela Avenir Growth Capital.

Presente em nove cidades, a Tul tem 40 mil lojas como clientes e faturou mais de US$ 60 milhões desde sua fundação. Com o aporte, a companhia dá um passo importante para crescer na região. “Toda empresa da América Latina que busca se internacionalizar precisa estar no Brasil. É um mercado muito grande e desafiador, com um potencial enorme”, conta a PEGN Bruno Raposo, country manager da companhia.

O modelo proposto pela Tul, que fará o lançamento nacional na Grande São Paulo, é ser um “superapp” B2B, oferecendo tudo que uma pequena loja de materiais de construção precisa, com entrega para o próximo dia e sem pedido mínimo. Outro pilar estratégico da startup é apostar nos empreendimentos afastados da região central.

“O nosso cliente é aquele localizado em um bairro considerado ‘menos tradicional’ dentro da cidade. Esse pequeno empreendedor, apesar de não ter o foco da indústria, representa mais da metade do material vendido para muitas empresas. É ele quem viabiliza o sonho da casa própria na comunidade local e queremos empoderá-lo”, afirma Raposo.

Para dar conta do objetivo, a Tul espera chegar ao fim do ano com 200 pessoas em sua equipe global. O investimento também deverá ser usado para acelerar o crescimento no México, onde acabou de se lançar.

Já no Brasil, o primeiro passo é entender o mercado paulista para depois chegar a outras cidades. “O natural é pensar no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte, mas ainda estamos avaliando. Há bons candidatos para crescermos.” Raposo entende que a Tul — avaliada na casa dos US$ 700 milhões — dependerá do trabalho no Brasil para alcançar o status de unicórnio, dado a startups que valem mais de US$ 1 bilhão.

Um dos desafios da empresa é adaptar o produto da companhia ao mercado brasileiro. Segundo o country manager, são duas grandes mudanças, além do trabalho de tradução da plataforma do espanhol para o português: compreender a tributação do Brasil, “que tem assustado o time na Colômbia”; e lançar a ferramenta já com a opção de Pix como meio de pagamento. “Queremos chegar com essa ‘tropicalização’”, diz.

Outro processo que tem tomado tempo da Tul é o de entender como atrair o cliente potencial. Para isso, conta Raposo, a empresa iniciará campanhas de marketing, tanto online de branding como presencial com os lojistas. “Teremos uma equipe que visitará e educará os empreendedores nos seus pontos de venda, oferecendo descontos que estimulem a degustação do produto. Acredito que, como aconteceu com a mobilidade e a alimentação, a digitalização também avançará no setor de construção civil.”

Fonte: PEGN