Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Fort Atacadista e Comper funcionarão inteiramente com energia limpa até 2023

Fort Atacadista e Comper funcionarão inteiramente com energia limpa até 2023

Atualmente, 69 de 78 das unidades funcionam com energia renovável e a sede da empresa já tem painéis solares que produzem eletricidade

Por Redação

Todas as unidades das bandeiras Fort Atacadista e Supermercados Comper — ambas do Grupo Pereira, varejista alimentar com atuação em Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Distrito Federal — funcionarão com energia renovável até 2023. Atualmente, 69 de 78 lojas funcionam com energia renovável, e a sede da empresa, localizada em Campo Grande (MS), tem painéis solares que produzem eletricidade.

Após a parceria firmada com a Engie, produtora de energia renovável que já tem experiências no mercado, as lojas esperam ter o fornecimento de energia eólica até 2029. Feita de forma progressiva, já foram contratados 17 MegaWatts para o atual abastecimento e até 2023, com previsão de crescimento de lojas, serão contratados 18 MegaWatts.

“Investir no uso de fontes renováveis de energia é mais do que reduzir o impacto ambiental das nossas atividades. Temos o compromisso de transformar de forma positiva a vida das pessoas e das localidades onde atuamos”, afirma Samuel Mutini, gerente de Energia do Grupo Pereira.

Além disso, a energia vinda dos aerogeradores do conjunto Campo Largo e Umburanas da Engie, localizados no norte da Bahia, tem como vantagem a geração de empregos e desenvolvimento das comunidades locais por meio de 40 projetos ambientais e sociais nos municípios de Sento Sé e Umburanas.

Eficiência energética

Com foco na sustentabilidade, o plano estratégico para eficiência energética do grupo contempla ainda o uso de lâmpadas LED em todas unidades, substituição de equipamentos e sistemas de refrigeração antigos por mais modernos (que consomem menos), além do monitoramento do consumo. “Esse projeto prevê a análise e controle do consumo de energia nas lojas, como por exemplo: limitar o horário de uso de toda a capacidade de iluminação e climatização”, explica Samuel.

Fonte: SuperVarejo