Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Fluxo de pessoas no varejo sobe, mas lojas de rua perdem público ante 2020

Fluxo de pessoas no varejo sobe, mas lojas de rua perdem público ante 2020

Lojas físicas tiveram aumento de 15% no fluxo de pessoas em novembro na comparação com outubro

O fluxo de consumidores no varejo brasileiro manteve a tendência de crescimento na comparação mensal em novembro de 2021, mas na comparação anual, as lojas de rua perdem público. É o que mostra o levantamento do IPV – Índice de Performance do Varejo, organizado pelo venture capital HiPartners Capital & Work em parceria com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

As lojas físicas tiveram aumento de 15% no fluxo de visitas na comparação com outubro. Os shopping centers, por sua vez, cresceram 9%. As lojas localizadas em ruas receberam 14% mais visitas no levantamento mensal, enquanto os estabelecimentos situados nos shoppings avançaram 23%.

No comparativo anual, os shopping centers permanecem com movimento positivo: 15% em relação a novembro de 2020 – no acumulado do ano, a alta também é de 15%. Já as lojas físicas caíram 16% na análise, com acumulado de 2021 em queda (-8%). Os resultados estão associados à menor quantidade de visitas principalmente em lojas situadas na rua, cuja variação foi de -18% no período, ante à queda de 1% em lojas que atuam dentro de shopping centers.

O Índice de Vendas, por sua vez, mostrou crescimento tanto na comparação anual quanto na mensal. Em relação a outubro de 2021, a quantidade de cupons, ou seja, o número de vendas, cresceu 14% para as lojas situadas em shopping centers e 16% para lojas localizadas na rua. O faturamento também teve performance ascendente nos dois tipos de estabelecimento, registrando alta de 12% e 20%, respectivamente.

Já no comparativo com novembro de 2020, a quantidade de cupons teve crescimento de 19% em lojas localizadas nos shopping centers e 9% nas lojas em ruas. Já o faturamento subiu 26% e 7%, respectivamente.

Na Black Friday, o fluxo de visitantes registrado no período de compras em 2021 não foi superior ao de 2020 e segue abaixo do indicador de 2019, antes da pandemia de covid-19. Em relação à última sexta-feira de novembro, os shopping centers tiveram alta de 3,4% no comparativo com o ano passado e queda de 46,7% em 2019. As lojas físicas caíram 22,8% em relação a 2020 e 60% a 2019.

As vendas da última sexta-feira de novembro seguiram o mesmo padrão do fluxo de visitantes. Em relação a 2020, houve crescimento de 6% no faturamento e de 2% na quantidade de cupons. Já no comparativo com 2019, a queda é de 16% no volume financeiro e de 27% no total de pedidos. Em relação à semana inteira, o faturamento cresceu 1% no ano passado e 2% há dois anos. Já o total de cupons caiu 2% (2020) e 8% (2019).

Os dados são provenientes das empresas FX Data Intelligence, plataforma de monitoramento da jornada do consumidor e da performance da operação no varejo físico; F360º, plataforma de gestão financeira para pequenos e médios varejistas; e Harmo, plataforma de feedback intelligence que integra gestão de reputação online de estabelecimentos offline.

O estudo é chancelado pela 4intelligence, empresa que desenvolve plataformas de inteligência para o mercado B2B e que também é responsável pela metodologia das análises, garantindo mais equilíbrio ao estudo e agregando outros índices para ratificar a sinergia com distintos benchmarks do mercado, como a PMC (Pesquisa Mensal de Comércio) e os Reports do Google Community Mobility.

Fonte: Época Negócios