Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Fintechs e retailtechs atraem mais investimentos de risco no Brasil

Fintechs e retailtechs atraem mais investimentos de risco no Brasil

Segundo estudo da KPMG, aportes em empresas brasileiras alcançaram R$ 53,8 bilhões em 2021

Por Redação

Investidores de risco e private equity no Brasil têm concentrado seus aportes em empresas do setor financeiro (28%) e do varejo (20%), segundo pesquisa realizada pela KPMG em parceria com a Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (Abvcap). Os dados são referentes ao último trimestre do ano passado. Já as startups de saúde, farmácia, medicina e estética somam 8% dos investimentos da amostra.

“Ao analisar os números dos investimentos do setor financeiro em venture capital e private equity fica clara a busca por novos modelos de negócios. Os investimentos demonstram que a inovação — muito em razão do destaque das techs (startups) — e o impulsionamento dos empreendimentos brasileiros tendem somente a aumentar”, analisa o sócio-líder de serviços financeiros da KPMG no Brasil, Cláudio Sertório.

O ecossistema brasileiro de startups tem atraído, de forma geral, a atenção de investidores. Os aportes dos fundos de Private Equity e Venture Capital em empresas brasileiras alcançaram R$ 53,8 bilhões em 2021, número 128% maior que os R$ 23,6 bilhões investidos em 2020.

O crescimento foi impulsionado pelos investimentos de Venture Capital (VC) em startups brasileiras, que atingiram a marca histórica de R$ 46,5 bilhões em 2021. Este é o quarto ano consecutivo em que a cifra bate recorde, de acordo com o levantamento. O volume do ano passado foi 219% superior ao registrado em 2020, quando somou R$ 14,6 bilhões.

“Percebemos muita movimentação recente e uma tendência para novos investimentos, especialmente ligados a empresas ou ativos atentos às práticas de ESG. Merece muito destaque e comemoração a performance dos fundos de Venture Capital que cresceu de maneira exponencial, mesmo com atuação mais recente no Brasil, alavancando muitos negócios de diversos setores e avançando inclusive sobre empresas com maior porte e maturidade”, conclui Roberto Haddad, sócio-líder de Private Equity e Venture Capital da KPMG no Brasil.

Fonte: IT Forum