Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » “A isenção foi uma questão do ano passado”, diz CEO do Iguatemi

“A isenção foi uma questão do ano passado”, diz CEO do Iguatemi

Com perspectiva de quarentena menos duradoura, rede de shoppings afirma que descontos a lojistas serão concedidos de forma mais cirúrgica

Por Moacir Drska

Em março de 2020, quando as quarentenas começaram a ser decretadas em todo o Brasil, fechando as portas do comércio, as principais administradoras de shopping centers no País passaram a adotar políticas de isenção de aluguéis e concessão de descontos para auxiliar os lojistas dos seus empreendimentos.

Um ano depois, com o Brasil vivendo a pior fase da pandemia e a adoção de novas e severas restrições de circulação, o grupo Iguatemi, uma das empresas que seguiram esse movimento, entende que não será preciso replicar parte dessas práticas.

“Obviamente, no ano passado, como o desconhecimento era total, nós trabalhamos mais próximos da cadeia”, afirmou Carlos Jereissati Filho, CEO do Iguatemi, em conferência com analistas nesta sexta-feira. “Vamos seguir dedicados em contribuir para que eles passem por esse momento, mas a isenção foi uma questão do ano passado.”

Segundo Jereissati, a postura do grupo será monitorar, caso a caso, segmento a segmento do varejo, as necessidades dos lojistas. “Vamos apoiar quem precisa e onde precisa”, afirmou. “As realidades são distintas. Vamos falar em descontos por segmentos, mas será mais dirigido e cirúrgico.”

Entre outras iniciativas, no primeiro mês da pandemia, em 2020, o Iguatemi anunciou medidas como a isenção do aluguel para lojistas, descontos de 40% a 50% no condomínio e de 60% a 100% nos fundos de promoção.

“A grande dificuldade que o setor enfrenta juntamente com outros segmentos da economia é a falta de isonomia. Nesse momento, tudo o que gera circulação deveria contribuir e estar fechado”, afirmou o empresário. “Eu brinco que, em pleno século XXI, fechar a atividade e o trabalho das pessoas e manter igrejas abertas beira a piada.”

À parte dessas questões, Jereissati destacou os avanços registrados com o Iguatemi 365, marketplace lançado no fim de 2019, mas que começou a ganhar corpo justamente durante a pandemia. Antes restrita à cidade de São Paulo, a plataforma já está presente hoje em 18 capitais e mais de dois mil municípios.

“Eu costumo dizer que já temos uma lojinha em cada uma dessas cidades”, afirmou o CEO do Iguatemi. Além dessa expansão, o marketplace ampliou sua oferta. Hoje, são cerca de 400 marcas plugadas e mais de 18 mil itens listados.

Balanço

O Iguatemi reportou um lucro líquido de R$ 82 milhões no quarto trimestre de 2020, cifra 26,7% inferior ao montante apurado em igual período, um ano antes. No ano, o lucro líquido também apresentou queda, de 35,6%, para R$ 202,3 milhões.

A receita líquida do grupo caiu 12,7% entre outubro e dezembro, para R$ 184,4 milhões. No resultado consolidado de 2020, a receita líquida ficou em R$ 684,2 milhões, o que representou um recuo de R$ 9,3%, comparado ao ano de 2019.

Por volta das 12h15, as ações da empresa estavam sendo negociadas a R$ 32,13, alta de 2,10%. Em 2021, levando-se em conta o fechamento do pregão da quinta-feira, os papéis da companhia acumulam uma queda de 15,2% no ano.

Fonte: Neofeed