Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Novos shoppings de luxo da JHSF vão operar no estilo da Harrods

Novos shoppings de luxo da JHSF vão operar no estilo da Harrods

O grupo JHSF vai abrir não apenas um, mas dois shoppings de luxo em São Paulo. A companhia tira do papel, ainda neste semestre, um projeto que teve um longo tempo de gestão: o Cidade Jardim Shops, que terá cerca de 60 lojas na região dos Jardins, em São Paulo. Além disso, depois de arrematar um terreno no Itaim, em novembro, a empresa vai começar a comercializar outro empreendimento, que deverá ter cerca de 130 lojas. Em ambos os casos, os shoppings vão operar no estilo de grandes lojas de departamentos, como a britânica Harrods e a francesa Galeries Lafayette.

Cidade Jardim. A proposta, conta José Auriemo Neto, presidente do conselho de administração da JHSF, será separar os andares por departamentos, como moda masculina, feminina e acessórios. A oferta das marcas ficará pulverizada pelo empreendimento. Em ambos os casos, haverá também uma operação forte de restaurantes.

Para Jaime Troiano, presidente da Troiano Branding, embora o modelo de departamentos já tenha enfrentado dificuldades no Brasil – a operação da Sears, nos anos 1980, naufragou em pouco tempo -, o público-alvo da JHSF costuma viajar e frequentar esses empreendimentos no exterior. “É um público ‘alfabetizado’ nesse tipo de conceito de varejo”, diz.

Descontos

Além dos dois empreendimentos em São Paulo, a JHSF trabalha para reforçar o Catarina Fashion Outlet, na rodovia Castello Branco. Segundo o presidente da JHSF, Thiago Alonso de Oliveira, o shopping de descontos já virou um destino de fim de semana – e não só para moradores da capital e do interior de São Paulo. “Cerca de 20% do público do projeto já é de fora do Estado de São Paulo”, diz.

O executivo não vê, no entanto, muito espaço para o modelo ser replicado pelo Brasil. Por isso, o Catarina, que já passou por uma expansão, vai mais do que dobrar de tamanho nos próximos anos. Deve passar dos atuais 30 mil m2; de área de venda para 70 mil m2;. Para atender ao público que usa o empreendimento para turismo de compras, a ordem é também reforçar os serviços. “Vamos trazer mais gastronomia, entretenimento e hotelaria”, explica Oliveira

Fonte: Estadão