Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Cel Lep cresce com treinamentos para professores e aulas de programação

Cel Lep cresce com treinamentos para professores e aulas de programação

Após completar 50 anos em maio de 2017, o Cel Lep, rede de idiomas do fundo H.I.G., prepara- se para expandir sua oferta de produtos. Neste semestre, o grupo passa a comercializar o Cel Lep Sistemas, um treinamento a professores de colégios particulares sobre sua metodologia de ensino, além de cursos de programação oferecidos pela Mad Code, empresa adquirida pela rede em maio do ano passado.Com investimento de R$ 20 milhões nestas ações, a empresa espera ganhar maior reconhecimento nacional e possibilitar diferenciais na formação de seus estudantes.

Parte do plano de expansão regional da rede, o Cel Lep Sistemas surgiu como uma maneira de ampliar a presença da escola no estado de São Paulo, já que, de acordo com Alexandre Garcia, diretor-geral do Cel Lep, o nome é mais reconhecido na capital paulista, onde estão 22 das 25 unidades da rede no estado. Entre as escolas que começam o ano letivo com a nova didática estão os colégios Campos Salles, Eduardo Gomes e Santo Ivo. Além de treinar os professores, o Cel Lep fornece os materiais que acompanham o plano de ensino. “Como muitas escolas nos abordam para ajudar a melhorar seus métodos de ensinar inglês, enxergamos nisso uma oportunidade. O Cel Lep Sistemas alavancará nossa expansão nacional”, diz Garcia.

Para divulgar o novo produto, a empresa participará da feira Bett Educar e contratou uma equipe de representantes comerciais para fazer as negociações com colégios particulares premium e que seguem a filosofia da escola. Quanto à Mad Code, o executivo anuncia que manterá as unidades da empresa adquirida sob o mesmo nome e que passará a oferecer cursos de programação também nas unidades Cel Lep, incluindo as quatro filiais de rua que abrirá durante este ano em São Paulo. “Nossa metodologia de ensino, que inclui aulas no laboratório, tem sinergia com a programação. Daqui a alguns anos, a programação vai ser tão importante quanto o inglês é hoje em dia”, diz Garcia.

Fonte: Meio e Mensagem