Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Como os americanos estão enfrentando a explosão na demanda online

Como os americanos estão enfrentando a explosão na demanda online

Os pedidos no comércio eletrônico dentro do radar da plataforma de integração Wevo  saltaram de 8 mil para 40 mil a partir da segunda-feira da semana passada (16/3), quando grande parte das empresas colocou seus funcionários em home office. “O crescimento ocorreu principalmente no setor alimentício“, destaca o porta-voz Diogo Lupinari.

Na plataforma Simplus , que conta com imagens de produtos em alta qualidade e diferentes formatos para utilização dos varejistas no e-commerce, mobile, campanhas digitais, planogramas e encartes, as consultas a informações e fotos cresceram 49% nas últimas duas semanas. Dias atrás, a quantidade de acessos no mês de março já havia superado a marca de 1 milhão.

De forma não programada, muitos consumidores estão experimentando adquirir alimentos de modo online, algo que pode significar um salto para o e-commerce alimentar mesmo depois de terminado o caos da pandemia. Para isso, no entanto, é hora de mostrar ao público que sim, é possível, ter confiança de selecionar produtos alimentícios de maneira remota. A cada entrega sem atraso e com todos os itens nas condições perfeitas, um novo cliente pode estar sendo conquistado para a plataforma de e-commerce da sua loja, e não apenas no curto prazo.

Claro que é um desafio e tanto neste momento de pico nas encomendas pela internet. Redes que já atuavam com e-commerce estão pedindo até 10 dias para entregar os pedidos. Outras já não conseguem atender determinados bairros. Para ajudá-lo, traduzimos matéria da Grocery Dive que mostra como o varejo dos Estados Unidos está enfrentando essa explosão de demanda. Confira:

Diante da crescente demanda do comércio eletrônico, à medida que cada vez mais consumidores se ancoram em casa, as redes americanas estão se esforçando para atender aos pedidos e impedir que seus sites falhem.

Os varejistas estão trabalhando rapidamente para adicionar trabalhadores em suas lojas e armazéns para escolher e embalar pedidos. Alguns estão empregando funcionários para administrar as linhas de frente. Eles também estão buscando estudantes universitários e ex-trabalhadores para preencher as funções necessárias de estocagem, embalagem de pedidos e entrega.

Albertsons e Safeway querem contratar mais de 2.000 funcionários de loja e on-line no estado de Washington, enquanto outros como SpartanNash iniciaram feiras de emprego para contratação local. A Jewel-Osco publicou avisos nas mídias sociais anunciando “aberturas imediatas” para motoristas de entregas. 

No back-end, varejistas e empresas de tecnologia estão correndo para sincronizar melhor as cargas de pedidos com os recursos disponíveis e para obter uma melhor compreensão dos estoques de produtos. 

Eles também estão adicionando servidores para aumentar a capacidade e implementando novos recursos para gerenciar melhor suas cargas de trabalho e garantir que os pedidos sejam lucrativos.

Bobby Brannigan, CEO da empresa de tecnologia de comércio eletrônico Mercato, disse que muitas das lojas independentes com as quais trabalha estão sobrecarregadas com a demanda recente.

“Algumas lojas recebem de 500 a 1.000 pedidos online por dia. Noventa por cento dos negócios agora estão online porque ninguém está saindo de casa agora,” declarou à Grocery Dive.

As lojas que antes tinham um ou dois trabalhadores escolhendo e embalando pedidos on-line agora têm até 20 fazendo esses trabalhos.

Os supermercados estão transferindo os trabalhadores para as funções de atendimento ao comércio eletrônico à medida que o tráfego do cliente se move online. Eles também estão alcançando em todas as direções a mão-de-obra. 

O dono de uma mercearia no Brooklyn convocou vizinhos, ex-trabalhadores e estudantes universitários para estocar prateleiras, trabalhar nos registros e atender pedidos on-line.

Fonte: S.A. Varejo