Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Compra da Baw seguirá passos da Reserva

Compra da Baw seguirá passos da Reserva

Marca queridinha dos jovens descolados, Baw Clothing deve faturar 80 milhões de reais neste ano já dentro da Arezzo&Co

Por Marina Filippe

Arezzo&Co anunciou a compra da marca de vestuário streetwear Baw Clothing. A aquisição de 100% da empresa por 105 milhões de reais visa ampliar o portfólio da Arezzo&Co de forma a complementar as ocasiões de consumo. A transação é um marco no braço de lifestyle e vestuário, liderado por Rony Meisler, fundador da Reserva.

“A Baw tem um posicionamento sólido, público fiel e enorme potencial de expansão. A marca já competia em awrness com gigantes como Nike e Vans e dobra de faturamento ano após ano. Temos certeza de que este é um bom negócio para também ampliarmos o portfólio e trabalhamos como temos feito com Vans e Reserva”, diz Alexandre Birman, presidente da Arezzo.

Lançada em 2016 pelos irmãos paulistanos Bruno e Lucas Karra, a marca nativa digital tem clientes de 18 a 34 anos, sendo 70% mulheres. A marca se propõe a fazer roupas com modelagens sem gênero, que sirva para o público masculino e feminino.

As peças têm com cores vivas e estampas que vão desde a marca no centro da camisa no estilo Supreme ou mais ousadas, como camisas com estampas de abacate ou com o rosto do ator Will Smith em Um Maluco no Pedaço. “Baw vem de Black And White e mostra como é uma marca para todas as ocasiões, democrática e ao mesmo tempo de desejo”, diz Birman.

Negócio

A empresa que faturou 40 milhões reais no ano passado e deve fechar este ano com 80 milhões de reais. A Arezzo&Co está comprando 100% da Baw Clothing, mas continua com a expertise dos sócios Bruno e Lucas Karra, Celso Ribeiro e Fernando Frizzatti .

Na negociação, 35 milhões de reais é pago em dinheiro, 50 milhões de reais em ações com um lockup de quatro anos, e 20 milhões de reais em cinco anos. A transação ainda conta um earnout de 10 milhões de reais a partir da receita e margem bruta para este ano.

Antes de aposta na compra da Baw, o grupo Arezzo já testava a venda dos produtos no e-commerce ZZMall. Agora, com a aquisição, é esperado crescimento no volume, novos tipos de produtos, como calçados a partir de setembro, e três lojas ainda este ano.

Isto será possível porque a Baw passa a contar com todo o sistema da Arezzo&Co, do desenvolvimento a entrega, passando pelo novo centro de distribuição no Rio de Janeiro. “Estamos organizando essa expansão com produtos diferenciados, fortalecimento do digital e aberta de lojas em locais não convencionais”, afirma Birman.

“É importante lembrar também que esta é uma marca de desejo, que tem peças limitadas, lançamentos constantes e que pode chegar até 30 lojas nos próximos anos, mas não passar muito disto porque trabalha com o conceito de exclusividade, não é para todos”. A marca também pode seguir os passos da Reserva e trabalhar com customização e demanda. Atualmente, 160 mil camisetas da Reserva são customizadas por mês.

Força de marca

A Baw Clothing ganhou fama também com um rol de influenciadores de peso, como a apresentadora Maisa, o comediante Whindersson Nunes e a ex-BBB Camilla de Lucas. Quem está por trás dessa estratégia é Celso Ribeiro, sócio da Baw e fundador da BR Media, empresa de agenciamento de influenciadores.

“Me recordo do dia que estávamos anunciando a contratação da Marina Ruy Barbosa como como diretora de moda do ZZMall. Vi ela negociando publicidade para a Baw abaixo do valor que costuma cobrar porque sabia que era uma marca que faria muito bem a ela”, diz Birman.

Outra estratégia é o lançamento de coleções com marcas como Bauducco e C&A. “Essas coleções são limitadas e servem bem como teste. Um exemplo é o tênis que estamos comercializando em parceria com a C&A. E isto deve continuar”.

Fonte: Exame