Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Brasileiro confia mais em pagamentos digitais e compras on-line

Brasileiro confia mais em pagamentos digitais e compras on-line

Nove em cada dez brasileiros consideram carteiras digitais seguras. A mesma proporção também se sente confiante com os aplicativos de e-commerce

Por Redação

Nove em cada dez brasileiros consideram carteiras digitais seguras, segundo pesquisa global da Experian. A proporção é bem acima da média global, em que 7 em cada 10 sentem segurança neste meio de pagamento. Só para explicar: as carteiras digitais, também conhecidas pelo termo e-wallet, reúnem dados de cartão de crédito no celular para compras virtuais e física. Hoje já é possível inclusive usar o celular para pagar por aproximação, sem a necessidade do cartão de plástico.

“A pandemia ajudou a inserir ainda mais as carteiras digitais na vida das pessoas. Essa modalidade de pagamento simplifica a jornada do cliente, pois a torna mais ágil, segura e sem atrito. Isso é importante, pois a pesquisa também aponta que os consumidores desejam uma experiência online positiva e que os principais fatores que contribuem para isso são sentir segurança e conveniência no acesso a produtos ou serviços”, afirma o líder de Produtos de Verificação de Identidade e Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Caio Rocha.

Ele pontua ainda que além da facilidade na hora da compra, as empresas devem investir e cuidar muito bem da segurança dos usuários.

O levantamento da Experian foi realizado em março de 2022 para entender como consumidores interagem online com as empresas em 20 países. Os dados também apontam que os 87% dos brasileiros se declaram confiantes em aplicativos de compras on-line. Na média global, só 65% das pessoas dizem ter segurança para uso desses aplicativos.

Os pagamentos por QR code inspiram a confiança de 82% dos brasileiros, contra 65% da média dos outros países ouvidos na amostra.

O bom e velho cartão de crédito ainda é popular e tido como o meio de pagamento mais lembrado por 90% dos consumidores brasileiros e 80% dos demais.

Ao todo foram ouvidos 6 mil consumidores e 2 mil empresas dos seguintes países: África do Sul, Alemanha, Austrália, Brasil, Chile, China, Colômbia, Dinamarca, Espanha, EUA, Holanda, Índia, Indonésia, Irlanda, Itália, Malásia, Noruega, Peru, Reino Unido e Singapura.

Fonte: Valor Invest