Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Brasileiro busca entrega mais rápida e melhor preço em marketplaces no fim do ano

Brasileiro busca entrega mais rápida e melhor preço em marketplaces no fim do ano

Mais da metade dos brasileiros farão suas compras de fim de ano via internet e 90% frequentarão os shoppings virtuais até o Natal

Por Daniela Braun

Mais da metade dos brasileiros farão suas compras de fim de ano via internet e 90% frequentarão os shoppings virtuais (marketplaces) até o Natal, revela uma pesquisa da startup francesa Mirakl, fornecedora de software como serviço para marketplaces.

O estudo global “Holiday Shopping Snapshot”, realizado em outubro com 9 mil consumidores de nove países, sendo 1.000 no Brasil, mostra que 53% dos brasileiros entrevistados farão as compras deste fim de ano pela internet, ante 47% no ano passado.

Este ano, 46% dos consumidores entrevistados globalmente pretendem fazer as compras de Natal pela internet, mesmo índice de 2020, que refletiu o aumento nas compras on-line desde o início da pandemia.

Entre os consumidores do Brasil que farão compras pela internet neste fim de ano, 40% responderam que certamente optarão por marketplaces e 50% responderam que consideram fazer compras nestas plataformas.

Na média global do estudo, que inclui consumidores dos Estados Unidos, da Europa e Ásia-Pacífico, 24% responderam que certamente comprarão em marketplaces neste período do ano.

As principais motivações dos brasileiros para as compras de fim de ano nos marketplaces são a busca por entregas mais rápidas, para 64% dos entrevistados, e melhores preços, para 75%.

O distanciamento social motiva a opção pelas compras on-line entre 40% dos entrevistados no Brasil, que preferem evitar aglomerações nas lojas físicas no período da Black Friday e no Natal.

Sediada em Paris, a Mirakl entrou para a lista de unicórnios – empresas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão – em maio deste ano. A companhia, que tem clientes como Grupo Pão de Açúcar, Carrefour, Leroy Merlin e Dotz, no Brasil, está avaliada em US$ 3,5 bilhões.

Fonte: Valor Econômico