Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Americanas perdeu quase R$ 1 bilhão com ataque hacker

Americanas perdeu quase R$ 1 bilhão com ataque hacker

As vendas totais, incluindo lojas físicas e digital, cresceram 21,7% de janeiro a março

Por Adriana Mattos

A Americanas perdeu em vendas R$ 923 milhões por conta da paralisação de seus sites e aplicativos após o ataque de hackers à companhia no fim de fevereiro. Foram cerca de cinco dias de operação instável ou com as plataformas da empresa fora do ar. O número consta no relatório de resultados do grupo na linha “incidente de segurança (perda de venda)”.

O valor está acima de projeções de consultores que fizeram estimativas com base em vendas passadas da companhia, e a Americanas vem crescendo neste ano de forma mais acelerada.

Em teleconferência com analistas neste início de tarde, a empresa citou a questão, referindo-se à divulgação do dado em seu balanço, e afirmou ainda que, após a retomada da operação dos sites e “apps”, o fluxo de compradores cresceu rapidamente, sinalizando a força dos canais, disse o diretor Raoni Lapagesse, em teleconferência com analistas.

Ainda segundo ele, a empresa tem registrado, desde o terceiro trimestre, uma aceleração acima do ritmo de crescimento de seus concorrentes e a companhia tem se beneficiado de um portfólio de produtos mais resistentes à crise (a Americanas tem uma venda de alimentos e bebidas).

Analistas têm lembrado que a base de comparação da Americanas vem crescendo, o que torna a expansão deste ano um destaque do balanço (as vendas totais do primeiro trimestre do ano passado subiram 90%).

“Somos menos dependentes de tíquetes altos e no primeiro trimestre, já com inflação e juros mais altos, conseguimos crescer, mesmo com o incidente de segurança, acima de outros ‘players’”, disse ele.

As vendas totais, incluindo lojas físicas e digital, cresceram 21,7% de janeiro a março. Ao considerar só as vendas transacionadas no comércio eletrônico, a alta foi de 20%. O Mercado Livre expandiu-se 23% em termos de vendas da plataforma (só on-line) no país.

Fonte: Valor Investe