Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Varejo brasileiro ganha produtividade para superar crise

Varejo brasileiro ganha produtividade para superar crise

O varejo brasileiro conseguiu superar o momento mais delicado da crise econômica e vem se fortalecendo, abrindo lojas e ganhando produtividade. A quarta edição do ranking “300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro”, que será lançado hoje (12/09) em São Paulo pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo), mostra que o País já conta com 120 varejistas com faturamento acima de R$ 1 bilhão, 41 empresas com mais de 10 mil colaboradores e 14 com mais de mil lojas em funcionamento.

Fruto de um profundo trabalho de pesquisa, coleta de dados e análise realizado pela SBVC com apoio técnico da BTR-Educação e Consultoria, Varese Retail, Centro de Estudo e Pesquisa do Varejo (CEPEV – USP) e Kafer Content Studio, a nova edição do Ranking mostra que as grandes e médias empresas tiveram em 2017 um ano de resiliência e crescimento. As 220 varejistas que estiveram presentes nas duas últimas edições do estudo apresentaram um crescimento nominal de 6,8% nas vendas, enquanto o varejo brasileiro como um todo teve uma alta de 2,2% (dados IBGE). Apenas 15% das 300 maiores empresas tiveram queda no faturamento no ano passado.

“Mesmo em um ambiente de crescimento econômico modesto, o varejo vem se expandindo, abrindo lojas, gerando empregos e aumentando sua produtividade”, afirma Eduardo Terra, presidente da SBVC. “O varejo superou a crise e as médias e grandes empresas vêm tendo desempenho consistentemente acima da média”, completa.

Outro ponto importante levantado pelo Ranking é o momento do varejo brasileiro em sua transformação digital. Apenas 3,2% das vendas do varejo acontecem online e 42% das 300 maiores empresas contam com e-commerce estruturado. “O atraso é maior em segmentos como alimentos e foodservice, em que 13% e 31% das empresas, respectivamente, atuam online”, analisa Alberto Serrentino, sócio-fundador da Varese Retail e vice-presidente da SBVC. “Os consumidores brasileiros estão se movimentando mais rapidamente que as empresas e provocando fortes transformações no mercado”, completa.

 

Números relevantes:

Os principais destaques da quarta edição do Ranking “300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro” são os seguintes:

  • As 300 maiores empresas faturaram R$ 602,54 bilhões em 2017. Considerando as 222 empresas que divulgaram seus faturamentos brutos em 2016 e 2017, o crescimento anual foi de 6,8%, mais que o triplo dos 2,2% do varejo como um todo (PMC-IBGE);
  • O GPA é o maior grupo varejista, com um faturamento de R$ 77,56 bilhões, o equivalente a 12,87% do faturamento das 300 empresas relacionadas no Ranking;
  • O Carrefour é a maior empresa de varejo do País, com um faturamento de R$ 49,6 bilhões, ou 8,24% das vendas das maiores;
  • As cinco maiores empresas de varejo responderam por 28,16% do faturamento total das empresas listadas no Ranking. As dez primeiras correspondem a 37,64% das vendas;
  • O setor com maior número de empresas no Ranking é o de Supermercados, com 140 representantes, três deles no top 10 do varejo;
  • As 300 empresas do Ranking empregam 1,36 milhão de pessoas, sendo o GPA Alimentar o maior empregador do varejo nacional. Entre os dez maiores empregadores estão cinco supermercadistas e três redes de drogarias/perfumarias;
  • Catorze das 300 empresas listadas possuem mais de mil lojas, sendo que quatro estão em supermercados, quatro em drogarias, duas em foodservice e uma em óticas, “outros”, eletromóveis e lojas de departamentos. Cinco das 14 empresas estão entre as dez maiores em faturamento;
  • O Boticário é a empresa com mais lojas no Brasil, seguida por AM PM, Subway, Cacau Show e Ortobom. São as mesmas cinco empresas da edição anterior e todas atuam no sistema de franquias;
  • No setor de supermercados, apenas 18 das 140 empresas listadas contam com operação online;
  • As 300 empresas listadas no Ranking deste ano abriram 2.217 pontos de venda, um avanço de 5,02%. O número também representa um aumento de 43,1% no ritmo de expansão orgânica do varejo em relação a 2016. As 300 maiores operam 61.286 lojas.
  • A empresa que mais abriu lojas foi a AM PM, com 250 unidades. Destaca-se o setor de Farmácias/Perfumarias, com cinco representantes entre as dez de maior expansão;
  • Das 222 empresas que divulgaram seus faturamentos brutos em 2016 e 2017, 154 tiveram aumento de vendas acima da inflação e somente 44 tiveram redução nominal em seu faturamento. As líderes do varejo têm respondido bem aos desafios de uma economia em crescimento lento.

Fonte: Redação