Twitter Facebook Linkedin
Home » SBVC na Mídia » Para brigar com rivais, Via Varejo vira sócia do ‘hub’ de inovação Distrito

Para brigar com rivais, Via Varejo vira sócia do ‘hub’ de inovação Distrito

Após comprar três empresas ao longo de 2020, a Via Varejo anunciou nesta segunda-feira, 9, um investimento na firma de inovação aberta Distrito. A operação não teve valor divulgado, mas deu ao grupo dono de Casas Bahia e Pontofrio 16,67% do capital da companhia, que tem centros para startups em São Paulo e Curitiba, além de uma forte área de dados sobre o ecossistema de inovação brasileiro. Mais do que apenas um cheque, é uma tentativa da varejista de ganhar terreno em uma corrida tecnológica no seu setor, cada vez mais disputado no Brasil não só por rivais locais como o Magalu, mas também por gigantes da tecnologia como Amazon e Alibaba. Segundo o presidente da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer, a estratégia do investimento é fazer parte de um “hub de inovação” em vez de buscar aquisições “startup a startup”. Com o aporte na Distrito, a varejista terá contato direto com cerca de 300 empresas, estima o mercado. Para Fulcherberger, as inovações geradas na Distrito podem trazer avanços em vertentes para além do varejo – em entrevista coletiva realizada pela manhã, o executivo não deixou claro, porém, quais inovações exatamente devem acontecer na empresa daqui para frente. A se julgar pelas aquisições recentes da empresa, as apostas devem se concentrar nas áreas de logística e finanças. Em abril, a companhia adquiriu a AsapLog, do ramo de entregas. No mês seguinte, a empresa arrematou 100% das ações do BanQi, serviço de conta digital que havia fundado a uma companhia do Vale do Silício em 2019. Em outubro, foi a vez da startup de comércio eletrônico I9XP. É uma forma de fazer frente a rivais como o Magazine Luiza, que também fez diversas compras neste ano, em setores como marketing digital e delivery de comida. Enquanto isso, a Amazon anunciou nesta segunda-feira três novos Centros de Distribuição no País; já a chinesa Alibaba prepara nesta semana uma grande ação no varejo local com o Dia dos Solteiros – a data é tradicional no país asiático e é comemorada na próxima quarta-feira. “Estamos tirando a diferença do que tem no mercado e avançando”, disse Fulcherberger. O mercado está atento às tentativas da gigante rumo a uma atuação mais tecnológica. No ano, os papéis da empresa acumulam alta de 66% na Bolsa. Na visão de Guilherme Fowler, professor de empreendedorismo do Insper, a transação reduz o risco de inércia da gigante ao se aproximar do mundo digital. “A Distrito vai servir como intermediário qualificado, fazendo curadoria para a Via Varejo, olhando não só compras, mas também parcerias, fornecedores e contratos de exclusividade”, diz. Para ele, o gesto lembra o de outras empresas, como o do Itaú, que mantém o centro de startups Cubo. “Não tem fórmula certa. A Magalu faz isso bem internamente, mas a Via Varejo entendeu que era melhor olhar para fora”, afirma o pesquisador. Para o presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), Eduardo Terra, o movimento é “correto, ousado e diferente”. “Normalmente, nesses hubs é possível ter acesso e preferência nas startups. Na prática, é um investimento direto no atacado de startups futuras. Elas podem ser adquiridas parcial ou completamente pela Via Varejo no futuro”, explica. Na visão dele, o mercado vive uma “corrida do ouro” tecnológica. Crescimento O investimento da Via Varejo é o primeiro aporte externo recebido pela Distrito, fundado em 2014 e com trabalhos em diferentes áreas, como finanças, marketing e varejo. Com o dinheiro, o Distrito espera acelerar o seu plano se plataforma digital para atender startups e empresas interessadas em parcerias. Antes da pandemia, as empresas que participavam dos programas de aceleração da Distrito precisavam estar em uma das quatro localidades físicas da companhia – três em São Paulo e uma em Curitiba. Agora o programa Distrito for Startups ocorre em ambiente digital, o que permite a participação de empresas iniciantes de todo o Brasil. Assim, o Distrito praticamente dobrou o número de participantes: eram 144 em abril, e agora são 300. “As barreiras físicas foram quebradas”, afirmou Gustavo Araújo, cofundador da Distrito. Da mesma forma, o time da Distrito deve crescer em breve. Atualmente, são 88 funcionários, e há 30 vagas abertas. Mas a companhia projeta uma ampliação maior: “Vamos contratar mais gente, buscando um comando mais sênior”, disse Gustavo Gierun, o outro cofundador do Distrito. O movimento já começou recentemente: na semana passada, a companhia anunciou a chegada de David Laloum, ex-presidente executivo da agência Young & Rubicam, como seu novo sócio. Conflito Para Fowler, do Insper, um dos desafios após o investimento é entender se a empresa de inovação poderá continuar atendendo clientes de diferentes setores. “Pode acontecer uma situação do que o Itaú faz com a XP”, projeta o pesquisador. Já Terra afirma que o desafio da Via Varejo será atuar com governança capaz de manter a agilidade da Distrito. Sobre isso, o presidente da Via Varejo, Roberto Fulcherberguer, diz que o hub de inovação seguirá com liberdade e independência. “Funciona como as startups de bancos, mas essas instituições desenvolveram esses ecossistemas, enquanto a Via Varejo buscou um já existente. É um movimento diferente e que nenhuma concorrente fez ainda.” A preocupação também não está na mente dos sócios da Distrito. “Temos outros mantenedores [do Distrito] já enviando mensagens que entendem que há sinergias. Na nova economia, olhamos para o que nos junta, não o que nos separa”, disse Araújo.