Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Netshoes vende operação no México

Netshoes vende operação no México

A Netshoes, grupo de comércio eletrônico de moda e calçados, informou à Securities and Exchange Commission (SEC, órgão americano equivalente à Comissão de Valores Mobiliários) a venda da totalidade de sua operação mexicana para o Grupo Sierra Capital, fundo de private equity que investe no México, na América Central e no Caribe. O valor da operação foi mantido em sigilo pela companhia.

O acordo foi firmado por meio das subsidiárias da Netshoes NS2.com Internet e NS5 Participações. A Netshoes informou que espera concluir a venda ainda no terceiro trimestre de 2018. A operação está sujeita às condições habituais de fechamento e a mecanismos de ajuste de preço de compra.

Em comunicado, a companhia informou que a venda da operação “está em linha com a estratégia da empresa de focar e simplificar suas operações em regiões maduras, para aumentar a lucratividade e criar valor de longo prazo para os acionistas”. A companhia afirmou que não dará detalhes sobre a operação.

A Netshoes tem operação no México desde 2011. A companhia não divulga dados específicos sobre esse mercado. No primeiro trimestre de 2018, as operações do México e da Argentina registravam juntas uma queda de 4,4% em receita, para R$ 40,7 milhões, na comparação com igual período do ano passado. As vendas brutas totais no Brasil tiveram incremento de 1,4%, para R$ 360,4 milhões.

A Netshoes registrou no primeiro trimestre um prejuízo líquido de R$ 60,3 milhões, ante perdas de R$ 37,7 milhões no primeiro trimestre de 2017. O aumento nas perdas foi de 60%.  O resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi negativo em R$ 31,3 milhões no primeiro trimestre, ante ganhos de R$ 3,1 milhões registrados no mesmo período de 2017.

A receita líquida de vendas avançou 0,8%, para R$ 399,3 milhões. Os custos com vendas cresceram 4,6% no primeiro trimestre, para R$ 278,7 milhões. As despesas operacionais, líquidas de depreciação e amortização, cresceram 18,5%, para R$ 149,5 milhões.

Fonte: Valor Econômico