Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Danos a produtos e furtos provocam perdas de R$ 19,5 bilhões no País

Danos a produtos e furtos provocam perdas de R$ 19,5 bilhões no País

O varejo brasileiro perdeu cerca de R$ 19,5 bilhões no ano passado, equivalentes a 1,29% do faturamento anual do setor, com prejuízos causados no dia a dia da operação, como vencimento de produtos, problemas no manuseio dos itens pelos clientes ou pelos funcionários, entre outros aspectos.

Os dados fazem parte de pesquisa elaborada pela Associação Brasileira de Prevenção de Perdas (Abrappe) em parceria com a consultoria da EY Parthenon, que deve ser anunciada hoje, em evento do setor. Participaram do levantamento cem empresas de varejo, incluindo as maiores do país. Fazem parte da entidade cerca de 500 companhias, como Carrefour, Riachuelo, Drogaria Pacheco São Paulo (DPSP) e Lojas Pernambucanas.

É o primeiro levantamento da associação sobre este assunto. Carlos Eduardo Santos, presidente da entidade, coordenou outras duas pesquisas com a mesma metodologia na Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

Na pesquisa de 2015, o índice de perdas para 60 empresas analisadas foi de 1,4%, e em 2016, o índice para 64 varejistas foi de 1,32%.

A informação dessas perdas no país foi inicialmente divulgada em julho, quando a pesquisa estava em andamento e somava 72 varejistas. A taxa de perda era de 1,99% para esse grupo de empresas. A análise evoluiu e atingiu cem empresas, com a taxa a 1,29%.

No material final, a ser divulgado hoje, há dados de 11 segmentos, como atacarejo, calçados, construção e lar, drogarias, eletrônicos, esportes, livrarias e papelarias, magazines, moda, perfumaria e supermercados.

Entre os segmentos analisados, supermercados e livrarias/papelarias registraram, respectivamente, índices de 1,94% e 1,46%, e apuraram as maiores taxas de perdas, acima da média nacional. A seguir, o varejo de esportes ficou com 1,21% e moda, 1,2%.

Os principais causadores de perdas são quebras operacionais, citadas por 35% das empresas como razão maior, seguidas de furtos externos (24%) e internos (15%).

Para Santos, o período de desaceleração no varejo, com rentabilidade afetada pela crise, obriga as empresas a ampliarem seus níveis de controle, e isso tende a reduzir as perdas nas lojas. Segundo ele, o varejo em geral opera com margens líquidas baixas (abaixo de 1% ao ano no alimentar). “Quando a venda não acontece, o ganho tem que vir pelo aumento na eficiência. Nesses casos, qualquer perda na loja afeta diretamente os ganhos com produtividade, por exemplo”, disse.

Fonte: Valor Econômico