Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Atacadão intensifica soluções de delivery

Atacadão intensifica soluções de delivery

Com a chegada da pandemia, o Atacadão, bandeira de cash & carry do Grupo Carrefour Brasil, aumentou seus esforços para oferecer novas opções de atendimento aos clientes. “A rede conta com parcerias com os aplicativos Rappi e Cornershop, que possibilitam que qualquer pessoa física possa fazer compras no Atacadão. Este é um projeto piloto e está disponível em localidades selecionadas”, revela Marco Oliveira, vice-presidente da rede, em entrevista exclusiva ao Jornal Giro News. Para o executivo, os clientes que conseguiram se adaptar às modalidades de compras online continuarão utilizando-as. “Acreditamos que as experiências que foram positivas durante a pandemia se tornarão hábitos, como as compras por aplicativos”, salienta.

Mercados de Bairro Ampliam Participação
Apesar do fechamento dos restaurantes, o Atacadão não sofreu redução em vendas, visto que os mercados de bairro ganharam importância no período e aumentaram suas demandas. “No geral, o impacto continuou sendo mais do que compensado pelas vendas de B2C e B2B para redes de varejo, uma vez que o Atacadão fez algumas iniciativas personalizadas com foco em pequenas redes, suportando fortes vendas em junho e julho.” Oliveira afirma que o formato de cash & carry atrai diferentes públicos, sobretudo microempreendedores – como proprietários de bares, pizzarias, minimercados – e consumidores. “Com a reabertura destes estabelecimentos, é natural que evolua o desempenho das vendas. No entanto, notamos que os restaurantes se adaptaram ao take away”, analisa.

Expansão Física e Digital
Neste ano, além de estrear no e-commerce, com o lançamento de um marketplace, o Atacadão já abriu sete unidades, em Criciúma (SC), Picos (PI), Araçatuba (SP), Cambé (PR), Ribeirão Pires (SP), Petrolina (PE) e Macapá (AP). Houve, ainda, a compra de 30 lojas do Makro Atacadista. “A aquisição contribuirá para impulsionar o crescimento e aumentar o nosso alcance para milhares de novos clientes. Estamos aguardando o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) analisar o processo, o que deve ocorrer em breve. A partir daí, estabeleceremos um cronograma para conversão das lojas Makro em Atacadão”, antecipa o vice-presidente. Com 193 lojas e 29 atacados de entrega pelo Brasil, a rede cresceu 13,5% em vendas brutas no segundo trimestre, para R$ 11,8 bilhões.

Fonte: GiroNews