Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » Estudo mostra bairros que mais consomem roupa no país

Estudo mostra bairros que mais consomem roupa no país

Publicado em 18/10/2014 | ANNA PAULA FRANCO

Os bairros São João, em Londrina; Batel, em Curitiba; e Centro, em Maringá, estão entre outras 17 microáreas brasileiras com maior potencial de gasto com vestuário, de acordo com um levantamento feito pela Geofusion, empresa paulistana especializada em avaliação de mercado por geomarketing.

A média nacional de uma família brasileira em gastos com vestuário por mês é de R$ 114, com limites que podem variar de R$ 640 em domicílios A1 a R$ 25 nos domicílios E. Entre os 20 bairros listados, as maiores médias estão entre R$ 478, no Lago Sul, em Brasília, e R$ 370, no Centro de Maringá.

O ranking foi estabelecido com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o consumo das famílias e informações capturadas por soluções de ­geomarketing, capazes de estratificar o detalhamento dos gastos por quarteirão das áreas pesquisadas. As informações de mercado ajudam a definir estratégias de negócios, conforme o segmento pesquisado.

“O levantamento avalia o orçamento total da família e seus gastos por itens de consumo. Os valores também são cruzados por faixa de renda, estabelecendo o perfil de determinada região”, diz Susana Figoli, diretora de inteligência de mercado da Geofusion.

Força local

O levantamento do perfil de consumo de vestuário chamou a atenção da pesquisadora por listar apenas cinco microrregiões pertencentes a São Paulo e Rio de Janeiro entre as 20 primeiras colocadas. Em geral, paulistanos e cariocas dominam as listagens pelos seus portes e características econômicas. Foi assim nos levantamentos em Alimentação e Educação.

“Belo Horizonte, que tem quatro bairros no ranking, tem um polo industrial importante no setor de moda. Assim como Maringá, onde a confecção é uma indústria forte. Os dados mostram que não apenas são áreas produtoras, que abastecem o mercado nacional ou regional, mas que também estão vendendo para o consumidor local”, avalia Susana.

Gazeta do Povo – PR