Twitter Facebook Linkedin
Home » Notícias » As 100 cidades mais quentes para o varejo no mundo

As 100 cidades mais quentes para o varejo no mundo

Brasil permanece com apenas uma indicação, São Paulo, que de um ano para o outro caiu dez posições ficando em 96º lugar.

No ranking Hot Retail Cities, a América Latina emplacou seis cidades. A mais atrativa da região é Santiago, no Chile. Avançou para 67º lugar na edição de 2019. A última é São Paulo na 96ª posição, a única brasileira entre as cem metrópoles globais mais atraentes para o varejo de moda. A lista tem por base estudo que envolve a parceria de três empresas espanholas: o site Modaes, o IE Business School e a holding de moda Tendam. A primeira edição do ranking foi realizada no ano passado. O trabalho considera critérios demográficos, socioeconômicos, políticos, turísticos e de qualidade da infraestrutura.

A América do Sul perdeu Buenos Aires, que figurava na lista anterior e saiu da atual. Permaneceram Santiago que desbancou Lima como a cidade latino-americana mais expressiva para investimentos varejistas. A capital peruana desceu para 69ª posição. Montevidéu também melhorou a pontuação e ultrapassou a capital paulista. Bogotá e Cidade do México completam o ranking regional, mantendo a colocação de 2018.

SISTEMA DE PONTUAÇÃO

Das três cidades mais ‘quentes’ para os negócios de varejo de moda, as duas primeiras ficam nos Estados Unidos. Como no ano passado, Nova York é a número um, e Los Angeles ocupa o segundo lugar. Cingapura perdeu a terceira colocação para Tóquio, no Japão. Preenchem o top ten pela ordem: São Francisco, Cingapura, Chicago, Miami, Hong Kong, Xangai e Londres. Para a realização do ranking, os organizadores usam esquema de pontuação considerando oito variáveis: tamanho da população; economia (PIB, taxa de desemprego, inflação, renda per capita); política; ambiente socioeconômico (grandes companhias, qualidade do ar, principais aeroportos, segurança pública); turismo (número de turistas recebidos pela cidade por ano); varejo (principais ruas de comércio e operadores internacionais); e trendy cities (ambiente para o empreendedorismo, qualidade de vida).

Enquanto Nova York atinge 645 pontos, de um total de mil, nenhuma das cidades da América Latina ultrapassam os 400 pontos. A líder Santiago alcançou 370 pontos.